Leitores que nos surpreendem!

Não é novidade que o tema central da biblioteca escolar é este ano o Holocausto. Não é novidade que este ano se evocam os 75 anos da libertação de Auschwitz e os 135 anos do nascimento de Aristides de Sousa Mendes. Há grandes planos e atividades, muitas vontades e parcerias nesta escola. O que nos dá um enorme fôlego e alegria como professores? Sem dúvida a capacidade que os alunos têm de nos surpreender. E assim foi numa aula de História. Sem qualquer pedido prévio do professor, a aluna Gabriela do 6º H, com um entusiasmo enorme, dirige-se a mim, com um livro nas mãos (e que belo é), e diz-me “Professor, estou a ler este livro, O Diário de Anne Frank. Estou a adorar! Esta rapariga escrevia mesmo muito bem! Foi a minha mãe que mo ofereceu (parabéns também à mãe). Rendido, só pude dar o meu assentimento face a esta interpelação (e enorme verdade e fé literária) de uma menina de 11 anos. Fiquei encantando e, vendo bem, ainda estamos no início dos cenários de leitura sobre este tema. Correu-me muito bem esse dia.

Fantástico, Gabriela! Boas leituras.

Sessões de conto presenciais e online

A biblioteca escolar está a desenvolver este ano a sua atividade e ligação às EB1/JI do agrupamento, atentas as condicionantes decorrentes da pandemia, em modo híbrido, ligando-se on-line às escolas mais afastadas da sede do agrupamento. A cedência de uma webcam a cada uma das escolas do agrupamento por parte da biblioteca escolar, foi uma medida decisiva para que se mantivesse essa ligação, em particular com as sessões de contos para os alunos do Pré-Escolar e do 1º Ciclo.

A professora Carla Moreira, da equipa da biblioteca escolar, tem vindo a desenvolver inúmeras sessões com as escolas, tantas têm sido as solicitações (20 este mês). A hora do conto revela-se assim uma atividade muito apreciada pelos alunos, não só pela qualidade das histórias selecionadas, mas também pelo talento da professora Carla, que se revelou uma extraordinária comunicadora e contadora de histórias. Um sucesso e uma enorme animação a fomentar o gosto pelos livros!

As obras escolhidas para as sessões de conto foram “As gravatas do meu pai”, do ilustrador e escritor Pedro Seromenho; “A baleia” e o “Regresso da baleia” de Benji Davies e “A grande fábrica das palavras”, de Agnes De Lestrade.

This slideshow requires JavaScript.

Relembrar a Noite de Cristal e o Holocausto

Esta semana, a Equipa da Biblioteca e de Cidadania, com a colaboração de vários docentes do agrupamento, implementaram a atividade «Relembrar a Noite de Cristal» com o objetivo de consciencializar os jovens para a tragédia humana que foi o Holocausto. Com esta iniciativa pretendeu-se educar para a multiculturalidade, capacitando os alunos para serem capazes de formar a sua opinião, fundamentada no conhecimento e no espírito crítico e não no preconceito, tornando-se cidadãos ativos e responsáveis.

A noite de cristal foi um assalto generalizado a lojas, escolas, sinagogas e habitações de judeus que ocorreu por toda a Alemanha, e também na Áustria, segundo um plano de ação instigado e planeado pelo próprio partido nazi no poder, nomeadamente pelo ministro da propaganda, Goebbels, em vésperas da 2ª Guerra Mundial. Esse plano foi  levado a cabo na noite de 9 de novembro de 1938 pelas forças paramilitares nazis, as SA e as SS.

Num período de apenas dois dias, mais de 250 sinagogas foram queimadas, cerca de 7.000 estabelecimentos comerciais judaicos destruídos, dezenas de judeus foram mortos, e cemitérios, hospitais, escolas e casas judias saqueados. O governo impediu a ação da polícia e dos bombeiros. No fim, a autoridade nazi ainda cobrou uma multa aos judeus de mil milhões de marcos, pela desordem e prejuízos, de que eles foram as vítimas e foram ainda obrigados a limpar os vestígios da destruição.

O nome dessa noite trágica (Kristallnacht) deriva dos cacos de vidro (vitrinas das lojas e vitrais das sinagogas, entre outros), resultado dum episódio de violência racista.

Seguiu-se um processo de perseguição com prisão e deportação de várias dezenas de milhares de judeus e sobretudo um impulso de puro terror para que os restantes judeus abandonassem a Alemanha.

Na verdade, a noite de cristal foi uma espécie de culminar de um longo processo de perseguição aos judeus que teve lugar na Alemanha e em todos os territórios ocupados pelos nazis, que se iniciou logo após a subida ao poder de Hitler em 1933.

A todos os docentes que tornaram possível a implementação da atividade os nossos sinceros agradecimentos.

A equipa da Biblioteca

Biblioteca desenvolve projetos Erasmus sobre o Holocausto

A biblioteca escolar desenvolve dois projetos Erasmus no presente ano letivo com escolas e bibliotecas de outros países europeus, tendo como temática central o holocausto, precisamente no ano em que se recordam os 75 anos de libertação de Auschwitz e os 135 anos do nascimento de Aristides de Sousa Mendes. O primeiro projeto, coordenado por Portugal, intitulado “School libraries promoting readers, values, literacies, skills and inclusion”, é promovido em parceria com bibliotecas escolares de três países (Polónia, Grécia e Itália), integrando em todas as parcerias professores bibliotecários. O projeto tem um enfoque na temática do Holocausto e na leitura de obras juvenis associadas à temática, apostando no desenvolvimento de literacias e valores. Um dos seus objetivos é a fundação de uma biblioteca na escola grega parceira (em Creta), contando com a experiência e o suporte das restantes bibliotecas.
A biblioteca é parceira noutro projeto Erasmus, intitulado “Literacies at the service of integration and citizenship”, coordenado pela Eslováquia, em parceria igualmente com bibliotecas escolares e equipas das bibliotecas de quatro países (Espanha, Itália, França e Portugal). As literacias dos media e digital são o foco deste projeto, intimamente ligado à evocação dos 75 anos da libertação de Auschwitz e da figura de Anne Frank.

Estes projetos envolvem no nosso agrupamento não só a biblioteca escolar, como também diversas disciplinas, nomeadamente, Português, HGP, História, Filosofia, Inglês, Cidadania e Desenvolvimento, as turmas e os docentes do 4º ano e o Clube Erasmus. Através da atividade “10 minutos a ler” serão lidas cinco obras sobre o Holocausto em todas as turmas do 2º e 3º Ciclo: “O Diário de Anne Frank”, “O rapaz do pijama às riscas”, “Os meninos que enganavam os nazis” e “Um atelier de sonho””. No 4º ano, todas as turmas leem um livro biográfico sobre Anne Frank. Outras atividades, como um concurso de Banda Desenha sobre Anne Frank, na disciplina de Educação Visual e um concurso literário sobre Anne Frank e Aristides de Sousa Mendes, na disciplina de Português, serão desenvolvidas ao longo do ano letivo.

Pretende-se com estes projetos consciencializar os jovens para a tragédia humana que foi o Holocausto, educar para a multiculturalidade, capacitando os alunos para serem capazes de formar a sua opinião, fundamentada no conhecimento e no espírito crítico e não no preconceito, tornando-se cidadãos ativos e responsáveis.

Ambos os projetos terão uma duração de dois anos e possibilitarão a participação de cerca de trinta alunos nas mobilidades futuras aos países parceiros. 

Ilustração da autoria da prof.ª Rosário Sá