No di
a 23 de janeiro, os professores Augusto Oliveira e Paula Rodrigues (docentes da disciplina de História no Agrupamento de Escolas de Canelas) visitaram a EB1/JI do Monte para dinamizar connosco (alunos da turma MT-B, do 1º e 4º ano) uma atividade sobre as comemorações dos 500 anos da primeira viagem de circum-navegação.

   Antes da visita, sentimo-nos muito entusiasmados porque, como temos vindo a estudar a «História de Portugal», estávamos curiosos para conhecermos mais pormenores sobre este episódio histórico tão importante para a humanidade.

     Em primeiro lugar, os professores referidos apresentaram-nos um vídeo onde pudemos observar os diferentes locais por onde passou e parou Fernão de Magalhães (navegador português ao serviço dos reis de Espanha) durante esta viagem pioneira e os vários obstáculos que enfrentou. O professor Augusto completou as informações mostrando-nos, no globo terrestre e no planisfério, alguns dos locais mais emblemáticos desta viagem.

     De seguida, os docentes mostraram algumas obras alusivas à temática, lendo alguns excertos de livros sobre Fernão de Magalhães.

         Com esta atividade aprendemos muitas coisas, das quais destacamos que esta expedição começou a sua viagem com cinco embarcações e mais de 200 homens, comandados por Fernão de Magalhães; teve a duração de três anos; algumas das regras que o capitão implementou para que a viagem tivesse o sucesso esperado; a descoberta de uma passagem do oceano Atlântico para oceano Pacífico – conhecido por Estreito de Magalhães -; o episódio da morte de Fernão Magalhães; a necessidade de se encontrar de um novo comandante, cargo assumido por Sebastián Elcano; a célebre chegada às Ilhas Molucas; o regresso a Espanha e, por fim, a confirmação  de que o planeta Terra tem a forma de uma esfera.

    Sabemos agora que o português Fernão de Magalhães é, atualmente, reconhecido mundialmente e, para homenageá-lo, tem vindo a ser atribuído o seu nome a várias coisas, como é o exemplo dos telescópios Magalhães, das crateras Magalhães e até de uma espécie de pinguins – os pinguins Magalhães.

            Para concluirmos, consideramos que esta atividade foi muito interessante e não nos importamosnada de a repetir.

50 anos depois da ida do homem à Lua!

No âmbito do projeto eTwinning “From Magellan to Armstrong: 500 years of adventure!” que promove a educação intergeracional”, desafiamos a aluna Beatriz Duro a entrevistar a sua avó, D.ª Ernestina, recolhendo o seu testemunho desse momento tão marcante para a humanidade, a chegada do homem à lua.

 

A viagem do Homem à Lua foi um dos grandes marcos da evolução Tecnológica da Humanidade, a primeira vez que o Homem pisou a Lua foi a 20 de julho de 1969.Tal feito foi realizado por Neil Armstrong um dos membros da missão “Apollo 11”.

As viagens até à Lua tripuladas foram resultado de uma disputa travada entre Americanos e Soviéticos. O conflito entre as duas nações, nos diferentes níveis, tecnológico, económico e bélico, fazia com que esta missão espacial fosse vista com orgulho, mas também com rivalidade, e medir de forças.

O programa “Apollo” sofreu um enorme baque quando a 21 de fevereiro de 1967 foi lançado a “Apollo 1”, e devido a várias circunstâncias e alguns defeitos na construção ocorreu um incêndio no interior da cápsula, resultando a morte de três astronautas. Devido a este acidente, as opiniões, divergiam, uns eram a favor que o programa “Apollo” prosseguisse, outros achavam que já se tinham perdido muitas vidas. Mas com a “Apollo 11” dá-se o grande momento da expedição e Neil Armstrong e o seu companheiro Edwin Aldrin pisaram a Lua pela primeira vez. A notícia foi divulgada através dos poucos meios de comunicação existentes na altura. A televisão embora a preto e branco transmitiu em direto. Apesar de ter sido a 20 de julho de 1969, Portugal devido à diferença do fuso horário só na madrugada de 21 é que foi possível assistir e ouvir as palavras de Armstrong, o chefe de equipa, quando pisou o solo lunar, proferiu uma famosa frase: “Este é um pequeno passo para o Homem, mas um gigantesco salto para a Humanidade.”

Nessa altura eu já trabalhava e embora fosse um dia normal, houve mais excitação e ansiedade, o tema de conversa era sempre o mesmo “O Homem foi à Lua…”.

Foi uma noite sem dormir, acompanhada de alguma desilusão, já que o que era dado a ver não era assim tão espetacular, como se imaginava. O que era possível ver na televisão eram: dois homens aos saltinhos em cima de um solo que lembrava um deserto. Parte da noite estive com o meu pai, mas depois acabei por ficar sozinha e confesso, que por ingenuidade ou por burrice, cheguei a olhar para a Lua, na esperança de a olho nuo visualizar algo melhor do que aquilo que a televisão mostrava.

A minha reação, e a de muitas pessoas, era um misto de orgulho e ao mesmo tempo receio das consequências negativas que alguns teimavam em fazer acreditar. Tal como com os Descobrimentos Portugueses existiram “Velhos do Restelo”, aqui também não faltava quem quisesse denegrir este feito. Sim tive medo, pois havia muita rivalidade Americana/Soviética e a possibilidade de uma guerra pairava nas nossas cabeças.

Mas, na minha opinião, não mais houve um acontecimento com tanto impacto como a ida do Homem à Lua. Cinquenta anos passados podemos considerar, que este acontecimento representa o triunfo da vontade humana.

Beatriz Duro, 7º C

Concurso de Poesia Interescolas 2020

Os agrupamentos e as escolas públicas do concelho de Gaia, em parceria com a Biblioteca Municipal, promovem um concurso de Poesia para a comunidade educativa (alunos do Pré-Escolar, Ensino Básico e Secundário, Docentes, Encarregados de Educação, Técnicos e Assistentes Operacionais e antigos alunos). O concurso decorre até 6 de março e os trabalhos devem ser entregues na biblioteca escolar da EBS de Canelas até à referida data, em papel e em formato digital.
O tema é livre e a entrega dos trabalhos ao júri da biblioteca municipal é feita pelo professor bibliotecário que se responsabilizará pela integridade e logística do respectivo concurso, zelando pela criação de um júri interno para a seleção do melhor poema por categoria. O júri será formado com os elementos que integram a equipa da biblioteca escolar.
Para consulta das informações relativas o concurso de poesia interescolas, poderão consultar o respectivo regulamento.

Correntes de contos na EB1/JI de Brandariz

No dia 16 de janeiro, docentes da equipa da Biblioteca escolar da escola sede dinamizaram sessões de conto para todos os alunos na EB1/JI de Brandariz.

A professora Paula Rodrigues dinamizou uma sessão literária com os alunos de 3º e 4º ano, em torno da obra “A grande fábrica das palavras”, de Agnés De Lestrade. Junto dos alunos do Pré-Escolar, 1º e 2º ano, o professor Augusto Oliveira explorou os livros “A baleia” e “A formiga horripilante”.

Desenhos-A-grande-fábrica-de-palavras