Entrevistas a diferentes personalidades….

 

Entrevista a Luís de Camões

    Luís de Camões é um poeta  português. Autor do poema “Os Lusíadas”, uma das obras mais importantes da literatura portuguesa. 
    Ouvi falar neste poeta nas aulas de História e fiquei fascinada. Acabei por sonhar com ele e entrevistei-o. 
 
  -Onde nasceste? 
-Nasci em Lisboa em 1524. 
 
  -Quais os nomes dos teus pais? 
-Sou filho de Simão Vaz de Camões e de Ana de Sá e Macedo. 
 
  -Como viveste a tua infância? 
-Vivi a minha infância na Época das Descobertas marítimas e no início do Classicismo em Portugal. 
 
  -Onde estudaste? 
-Estudei no colégio do Convento de Santa Maria tornando-me num profundo conhecedor de história, geografia e literatura. 
 
  -Que curso tiraste na universidade de Coimbra? 
-Tirei o curso de Teologia (estudo  da religião cristã). 
 
  -O que aconteceu em 1544? 
-Em 1544 , com 20 anos , deixei as aulas de teologia e ingressei no curso de filosofia. 
 
  -Que desentendimento tiveste com Juan Ramon? 
-Num sarau (festa com dança), seguido de um torneio poético, Juan Ramon, sobrinho de um dos  professores da universidade, sentiu-se ofendido com os meus versos. Seguiu-se um duelo e Juan Ramon saiu ferido, o que terminou na minha prisão , sob o protesto dos estudantes. No final de muitas discussões fui perdoado , com a condição de ser desterrado(banido) durante um ano de Lisboa. 
 
   -Os teus versos eram apreciados? 
-Na capital, os meus versos eram apreciados pelas damas da corte, mas eu fui perseguido por outros poetas. Para fugir das perseguições, em 1547, resolvi embarcar, como soldado , para a África. Servi dois anos em Ceuta , combati os Mouros e durante uma batalha perdi o meu olho direito. 
 
  -O que aconteceu depois disso? 
-Nessa época, inspirado nas conquistas ultramarinas, nas viagens por mares desconhecidos, na descoberta de novas terras e no encontro com novos costumes, escrevi a minha  epopeia “Os Lusíadas” .
 
  -É verdade que embarcaste para a Índia? 
-Sim, em 1554 , embarquei para as Índias. Estive em Goa, e tomei parte de várias outras expedições militares. Fui nomeado provedor em Macau, na China, e durante a minha estadia, escrevi mais seis contos do meu poema épico. Em 1556, parti novamente para Goa, mas a minha embarcação naufragou na foz do rio Nekong. Consegui  salvar-me, nadando, levando comigo os originais d “Os Lusíadas”. 
 
  – Obrigada por partilhares a tua vida comigo.
   – Gostei muito de te conhecer.

Ana Francisca, nº1, 5.º F

 
 
 
 

Entrevista a D. Leonor Teles

       Escolhi esta personagem histórica, devido ao nome que me deixou curiosa.
     Filha de Martim Afonso Telo de Menezes e de Aldonça de Vasconcelos, D. Leonor Teles nasceu na região de Trás-os-Montes por volta de 1350 e faleceu em Tordesilhas em 1386.Foi casada, contra a vontade do povo, com D. Fernando.

     – Como foi crescer num palácio?
      -Foi ótimo. Fui muito feliz no meu palácio, pois apesar das dificuldades da altura, nunca me faltou nada.

     -Casou muito jovem, porquê? 
     -No meu tempo, as mulheres casavam muito cedo. Os casamentos raramente eram por amor. As mulheres eram prometidas muito jovens.

     -Foi difícil ser mãe durante a juventude?
      – Sim, fui mãe muito cedo e criar um bebé é uma responsabilidade muito grande.

     -Porque terminou o primeiro casamento?
     – Por causa de um novo amor. Foi numa visita à casa da minha irmã que conheci D. Fernando, que se  apaixonou loucamente por mim. Então, cancelaram o meu primeiro casamento para poder casar com D. Fernando.

     -É verdade que casou em segredo com  D. Fernando em 1371, no Mosteiro de Leça do Balio?
    -Sim, teve mesmo que ser. O nosso casamento não foi bem recebido pelo povo, que discordou completamente da ideia do rei escolher uma pessoa que já tinha sido casada.

    – O que mudou com o nascimento de D. Beatriz?
      -Penso que com o nascimento da minha filha Beatriz, o povo português passou a aceitar melhor a nossa união.

    – D. Fernando morreu muito cedo. Que consequências trouxe para essa morte para si?
    -A morte do meu marido mudou a minha vida para sempre. Tive que assumir o trono como regente e mandei aclamar a minha filha , D. Beatriz, como Rainha de Portugal, não respeitando o Tratado de Salvaterra de Magos. Essa situação conduziu à guerra.

     -Concorda quando dizem que foi a responsável  pelo fim da 1ª dinastia?
    – Não concordo nada com isso, apenas fiz o que estava ao meu alcance e o que achava ser mais correto.

     – Para terminar, qual o adjetivo  que melhor a descreve e porquê?
    – Determinada, porque insisti sempre em alcançar os meus objetivos.

– Muito obrigada pelo seu tempo, D. Leonor Teles. Gostei de a conhecer melhor.

Leonor Brandão, nº7, 5.ºC
     
 

Entrevista a D. Afonso Henriques

  D. Afonso Henriques foi o primeiro rei de Portugal.Ficou conhecido como “O Conquistador”. Reinou em Portugal durante42 anos.
    Um dia, estava ele a chegar ao seu castelo, quando de repente apareceu um menino chamado Rodrigo que conversou com ele:

     -Boa tarde. Permite-me fazer-lhe algumas perguntas?
     -Sim, claro.

     -Qual foi a primeira batalha que venceu?
     -Foi a batalha de S. Mamede, a 24 de Junho de 1128. Enfrentei o exército que apoiava minha mãe, D. Teresa.

     -Em que ano é que  obteve a sua primeira  vitória em terras islâmicas?
     -Em  1139,  venci os nossos inimigos mouros na Batalha de Ourique.

     – Quais foram as cidades do sul que  conquistou?
     -Primeiro foi Santarém e Lisboa, de seguida Almada, Sintra, Beja, Évora e Moura.
     
     -E qual foi a sua primeira derrota?
    -Foi em Badajoz, batalha na qual fiquei gravemente ferido na perna e fui feito prisioneiro.

     -Em que ano se casou com Mafalda de Sabóia?
     -Foi em  1146.  Também  era conhecida com o nome de Matilde, condessa de Sabóia e Marienne.

     -Quantos filhos  chegou a ter?
     -Tive 7 filhos: D. Henrique, D. Mafalda, D. Urca, D. Sancho, D. Teresa, D. João e D. Sancha.

     -Obrigado pelo seu tempo e atenção.
     -De nada meu jovem.

Rodrigo Miguel Bento Pereira
N19, 5.ºC

 

Beethoven. O maior compositor de todos os tempos.

    Quando Beethoven estava a ensaiar a sua música, o famoso repórter Mateusz Tavares entra na sala, preparado para o entrevistar.

– Quais foram as suas maiores dificuldades quando era crianca?
– Eu fui para a escola durante dois anos, mas desisti porque tinha muitas dificuldades, principalmente em Matemática. Não sei se foi por minha causa ou  pelo facto dos professores serem mesmo maus a ensinar.

– Sabemos que em Viena, encontrou Mozart. Como correu esse encontro? –
– Eu não me lembro de muito, só me lembro que Mozart terá dito que eu ia ser uma estrela, mas eu já era uma estrela!

– Durante a sua vida, que problemas de saúde o afectaram mais?
– Tive muitas doenças, mas para mim, que sou músico, a pior doença foi sofrer de surdez.

– Como foi compor sinfonias sem conseguir ouvir?
– Acabou por ser fácil, porque eu já sabia as notas musicais… elas estavam na minha cabeça!

– Gostei muito de o conhecer. Sou um grande admirador.
– Agradeço as suas palavras.

Mateusz Tavares, nº 21, 5.ºF

 

Fernão de Magalhães

      Em casa comecei a sonhar que tinha viajado no tempo. Fui parar ao séc. XVI e conheci Fernão de Magalhães.
      Conheci-o nas aulas de  História e ouvi ler a sua biografia nas aulas de Português. Fiquei curioso sobre a sua vida.
       Decidi entrevistá-lo, para o conhecer melhor.

   – O que gostava de fazer quando era jovem? 
    – Lembro-me que quando era um rapaz fui  educado  pela  rainha D. Leonor, como pajem. Tive uma educação muito diversificada e contactei com os conhecimentos náuticos.

– Quando realizou o seu primeiro contacto com o mar e com o império?
– Com  25 anos alistei-me para participar numa expedição às Índias Orientais.

   -Quando começou a idealizar a sua viagem  de circum-navegação?
   -Comecei a planificar essa viagem ainda muito jovem. Estudei , pesquisei, procurei ajuda e pedi o apoio do rei português.

– Foi o rei português que patrocinou a viagem?
– Não, o rei não aceitou o meu projeto e tive de ir para Espanha para que ele fosse aceite.

-Que razões o levaram a realizar essa viagem?
– Fiz a viagem de circum-navegação porque achava que era possível chegar às Ilhas das Especiarias navegando para ocidente, porque tinha ouvido que era possível passar do Atlântico para o Índico. Ao mesmo tempo acreditava que o mundo é redondo.

  – No entanto , não conseguiu terminar a viagem. O que aconteceu?
– Fui morto em Mactan, antes de a terminar. Foi um espanhol que a concluiu.

    – Muito obrigado pela colaboração.
    – Foi um prazer relembrar esses acontecimentos.

Diogo Rodrigues, nº 5, 5.ºE

 

Entrevista a Fernando Daniel

  Fernando Daniel é um cantor e compositor com 26 anos.  Nasceu em Estarreja. O estilo de música é Pop, Pop-Rock, Soult e baladas. 
   Decidi entrevistá-lo porque o admiro muito. 

 -Qual foi a tua primeira banda? 
 -A minha primeira banda foi “Saits of May” e cantava com o meu amigo Fernão Mendoza. 

 -Qual é a tua gravadora? 
– A minha gravadora é Universal Music Portugal. 

– Quando começaste a tua carreira como cantor? 
– Comecei a carreira quando ganhei o “The Voice Portugal” em 2016. 

– Onde participaste primeiro? 
 -Participei duas vezes no “Fator X” onde perdi, mas ganhei o “The Voice Portugal” 2016. 

 -Porque gostas de cantar? 
 -Gosto de cantar, porque posso exprimir os meus sentimentos e pensamentos através da música. 
 -Obrigado por tudo, Fernando Daniel. 
-De nada, foi um prazer até a próxima. 

Nuno Teixeira, nº 12, 5.ºC

 
 
 

Millie Bobby Brown

      Hoje, vou entrevistar Millie Bobby Brown. Uma atriz de 18 anos que já representou muitos papéi.  Uns muito diferentes dos outros e em grandes produções, como´´Stranger Things“ ou ´´Enola Holmes`, em que foi a personagem principal.
       Escolhia-a porque admiro muito o seu trabalho e acho que vai ter um fabuloso futuro.

 -Olá Miliie, queria começar por agradecer por estar aqui e aceitar esta entrevista e, se não te importares, podemos tratar-nos por ´´tu“?
 -Sim, claro!

 -Sei que não foi assim há muito tempo, mas como descreverias a tua infância?
 -A minha infância foi muito agitada, porque eu nasci em Espanha. Depois fui para Orlando na Flórida. Neste momento, estou a viver entre Londres e Atlanta.

 -Gostas de trabalhar mais em cinema ou na televisão?
 -Gosto de trabalhar nos dois ramos. Interpreto personagens completamente diferentes e acho isso muito interessante.

 -Qual foi a primeira personagem que interpretaste?
 -Foi a Alice, na série ´´Once Upon a Time“ em 2013. Adorei fazer essa série.

 -Já fizeste algum musical?
 -Não, mas seria fantástico fazê-lo, porque eu gosto de cantar.

 -Posso dizer que és uma jovem empresária. Está tudo a correr bem com a tua marca de maquilhagem?
 -Sim, neste momento a minha marca de maquilhagem está a ser um sucesso. Quando precisares de de te maquilhar,  usa a minha marca.
 -Obrigada, fá-lo-ei. 

-Mudando de assunto, já ganhaste vários prémios. É algo que te motiva para o teu futuro?
 -Sim, já ganhei muitos prémios, mas o que realmente me motiva é eu gostar do que faço e os prémios são a recompensa do meu trabalho.

 -Para terminar, se houvesse oportunidade de fazeres um filme em Portugal, com  participação de atores portugueses, gostarias?
 -Adoraria, porque conheceria novos atores que parecem ser gentis. Gostava de conhecer essas pessoas novas e de visitar a  capital de Portugal, Lisboa.

 -Obrigada pela atenção, Millie. Adeus e todo o sucesso do mundo!
 -Obrigada!   

Lea Almada, nº 12, 5.ºE              

 
 
 
Entrevista a Gumball Watterson
 
 
    Gumball Watterson, é o gato azul favorito dos mais novos, por meter-se sempre em aventuras e encrencas. 
     Aparece na emissora televisiva Cartoon Network na série “O Incrível Mundo de Gumball”. Será hoje entrevistado pela jornalista Eva Lavrador, aluna do 5ºC.

 
      -Porque achas que os mais novos são tão apegados à tua série?
    – Na minha opinião, as crianças gostam muito dos meus episódios cómicos, porque há sempre uma nova aventura e suspense.

      -Gostas da participação dos teus amigos e família nos teus episódios?
     -Mas é claro que gosto! Eles ajudam a animar a série e a criar diversão.

    -O que achas dos teus pais?
    -São os melhores! Apesar da minha mãe trabalhar muito, ela quando chega a casa torna-se muito divertida. Já o meu pai é um bocado preguiçoso, mas toma bem conta de nós.

     
    – E o que pensas sobre os teus irmãos?
     – Bem, o Darwin é muito carente e é o meu melhor amigo, portanto gosto muito dele. Já a Anaís é muito inteligente e convencida, mas gosto muito dela.

      
    -Quais são os teus planos para o futuro?
  -Os meus planos para o futuro são: casar-me com a Penny, gravar novos episódios, formar-me, resolver todos os meus problemas ao longo da vida e ter uma linda família.

      -Muito obrigada pela tua colaboração e até à próxima! 

Eva Lavrador, nº1, 5.ºC

 
 
 
Cristiano Ronaldo
 
 
     Decidi entrevistar o Cristiano Ronaldo porque ele é dos melhores jogadores do mundo.O Cristiano tem 37 anos, já ganhou muitas taças e tem 5 filhos.

-Cristiano, o que gostavas de fazer quando eras pequeno?
-Jogar futebol com os meus amigos. 

-Quais eram os teus jogadores preferidos?
-Luís Figo, Rui Costa e Fernando Couto eram os meus jogadores preferidos.

-Na tua juventude quais foram os clubes onde estiveste?
-No Clube de Futebol Andorinha em 1993 a 1995, no Nacional da Madeira em 1995 a 1997 e ainda no Sporting B entre 1997 a 2001.

-Na tua vida de jogador profissional quais foram os clubes em que jogaste?
-No Sporting entre 2001 a 2003, no Manchester United entre 2003 a 2009, no Real Madrid entre 2009 a 2018, na Juventus entre 2018 a 2021 e, atualmente, voltei ao Manchester United.

-Com que idade pensas acabar a tua carreira?
-Sinceramente, não sei. Ainda me sinto bem a jogar futebol, portanto para já não termino a minha carreira.

-Quais são os teus planos para o futuro, quando a terminares?
-Ser treinador, para manter-me ligado ao futebol.

-Muito obrigado, Cristiano, pelo tempo que me dedicaste.
-O prazer foi todo meu.

Daniel Gonçalves, nº 3, 5.ºE

Desperdício Alimentar

Para encerrar o DAC sobre esta temática, os alunos colocaram os seus trabalhos, passados para wordna aula de português, no padlet de Escrita Criativa.

 

Produtos devemos comprar,
antes da validade acabar.

Nos supermercados devia-se aproveitar
produtos que dá para reutilizar.

Futas devemos saborear,
antes de estragar.

“Dumpster diving”
ajuda a reaproveitar,
produtos que dá para utilizar.

E para esse desejo se realizar
devemos parar de desperdiçar.

 

Lea , Lara Coelho, Luana,  5.ºE

 

Fruta no lixo é um desperdício
Se não parares, torna-se um vício.

Pensa um momento ,
e salva um alimento.

Aproveita a comida                         
e salva uma vida.

Uma pessoa a precisar
e várias a gastar.

Não gastes, não gastes,
volta a pensar…
Pois, há muita gente que está a necessitar. 

Márcia, Eva e Rodrigo Pereira,  5.ºC

 

A comida desperdiçada 
pode 
e deve
ser reutilizada. 

Para evitar desperdício,
olhamos para o prazo de validade,
recusamos deitar fora sem necessidade!
E assim o planeta agradece!

A comida pode ter 
outro sabor 
depende do consumidor.

Na cantina
temos comida bonita
é pena que se desperdice!

Em nossa casa 
nós não desperdiçamos,
nós reutilizamos.

                                                                           Daniel, Gonçalo e Ricardo, 5.ºE

 

Frutas Feias?
Frutas Bonitas?
O que interessa,
é que sejam comidas!

A validade nem sempre importa,
e, nem sempre diz toda a a verdade,
o que importa é a 
realidade!

Não vamos desperdiçar,
para não matar,
animais e humanos 
vão adorar!

Alimentos vamos doar,
para quem precisar,
de se alimentar.
Vamos todos ajudar!

Muita fome no mundo existe,
por isso não devemos desperdiçar,
devemos comer sem reclamar.

Muitas vezes,
sobram restos,
para não desperdiçar,
podemos reutilizar.

Receitas podemos criar,
para não desperdiçar!
O mundo vai gostar,
e vai reaproveitar.

Para não desperdiçar,
podemos reutilizar!
Listas criar
antes de comprar!

Com fome não podemos comprar,
para não desperdiçar,
vamos deixar,
o que não vamos comprar.

Podemos congelar,
o que não formos usar,
para mais tarde,
reutilizar!

Rui Silveira e Rafael Rocha , 5.ºC

Como foi participar num Projeto Erasmus?

 

No 5.º ano, quando nos disseram que iríamos participar no Projeto Erasmus+ HIGEM, sentimo-nos felizes por sermos a turma escolhida, mas também ansiosos e nervosos por termos de conviver  e interagir com pessoas de outros países. – Pedro Martim, 7.ºJ

 

 

 

 

Antes do COVID começar, alguns alunos tiveram a oportunidade de viajar para a Eslováquia “Foi uma experiência nova e excitante” – Luana Monteiro 7.ºH. 

 

 

 

Trabalhar neste projeto foi muito divertido, intenso e desafiante, tendo em conta que tínhamos de falar em inglês com pessoas que nunca tínhamos visto.- Nuno Morais 7.ºJ

 

 

 

Também conseguimos receber alguns alunos de outros países em nossa casa.  “No início foi difícil comunicar com eles, mas depois de um dia ou dois, conseguimos adaptar-nos” – Sofia Ferreira 7.ºH.

 

 

 

Com os trabalhos que fizemos para este Projeto, aprendemos mais sobre o património , a fauna e a flora do nosso país e dos países dos nossos parceiros. Visitamos vários locais de interesse como o Solar dos Condes de Resende, o Museu de Serralves, o Zoo de Santo Inácio, o Aquário da Aguda, a Estação de S. Bento, etc…. Beatriz Santos 7.ºJ

 

 

Infelizmente, no 7.º ano não foi possível viajar para outros países, então fizemos tudo online, não foi muito divertido porque as coisas são muito mais divertidas quando estamos juntos fisicamente e não apenas online. _Beatriz Marques – 7.ºH

 

 

 

 

Foi uma experiência única e divertida, mas também sentimos algumas dificuldades, como  por exemplo a comunicação com eles porque tínhamos de falar inglês e, na altura, o nosso inglês não era muito bom! – Mariana Ribeiro 7.ºH

 

 

DESPERDÍCIO ALIMENTAR

O desperdício alimentar foi tema de um trabalho interdisciplinar, de várias turmas de 5º ano, com o objetivo de alertar/sensibilizar a comunidade escolar para a urgente necessidade de atuar de forma a reduzi-lo e minimizar as suas consequências humanitárias e impacto ambiental.

 

                Após pesquisas, observações diretas, tratamento estatístico, os alunos envolvidos no projeto tiraram conclusões sobre este “flagelo” que consome os recursos naturais do nosso planeta e acentua as desigualdades e injustiças sociais.

 

Da pesquisa realizada, os alunos retiveram que:

 

– O desperdício alimentar tem um peso, pesa 1,3 bilhões de toneladas por ano, o equivalente a um pouco mais de ¼ dos alimentos produzidos anualmente no mundo. Quantas pessoas podiam ser alimentadas com o que se deita fora?!

 

 – O desperdício causa alterações climáticas, esgota os recursos ambientais e tira ao solo a sua produtividade. Se não pararmos de desperdiçar, que recursos ficarão para as gerações vindouras?!

 

– Na escola, todos os dias se desperdiçam alimentos (refeições não consumidas, sobras excessivas nos pratos, comida perdida espalhada pelo chão…). Que inconsciência e falta de respeito por quem passa fome e por quem trabalha duro para os produzir!

 

– No primeiro período letivo, na nossa cantina, só os alunos de 5º ano desperdiçaram 347 refeições (das 4457 refeições encomendadas apenas 4410 foram servidas). Imaginem qual não será o número de refeições desperdiçadas se contabilizarmos todos os anos de escolaridade nos três períodos letivos! Que atentado ao planeta, ao bolso dos contribuintes, à humanidade!

 

                Havendo tantas pessoas com fome, sem nada ou com tão pouco para comer, como se pode admitir tanta irresponsabilidade e egocentrismo?  Onde está a nossa humanidade?  Que é feito da nossa inteligência?

É urgente começar a poupar, acabar com o desperdício alimentar, pois só dessa forma conseguiremos preservar o nosso planeta e atenuar as desigualdades e o sofrimento de muitos seres humanos que nada, ou tão pouco, têm para matar a fome.

Conscientes deste grave problema ambiental e humanitário, os alunos do 5ºA e 5ºB expressaram, através da poesia, slogans e cartazes as suas preocupações, alertando para a existência dum terrível bicho que é urgente exterminar o bicho “Desperdício” que mina o nosso planeta esgotando os seus recursos naturais e nos transforma em consumidores desenfreados, inconscientes e egoístas. Não se esqueçam, e não deixem esquecer, que as perdas alimentares representam um desperdício de recursos usados na produção, como terra, água, energia e que os alimentos não consumidos geram emissões desnecessárias de CO2, contribuindo para o aquecimento global e as mudanças climáticas.

Aqui vai o apelo dos nossos alunos, expresso através de versos e rimas, peço que leiam, reflitam e transmitam a mensagem.

 

This slideshow requires JavaScript.

Prof. Clementina Silva, coordenadora de Cidadania e Desenvolvimento

 

 

Desperdício alimentar

O desperdício alimentar,
é o que muitas pessoas estão a fazer,
devemos todos evitá-lo,
para o planeta proteger.

O nefasto efeito estufa 
contribui para as alterações climáticas,
com pessoas informadas
isto poderá desaparecer.

Por cada quilo de alimentos desperdiçados
são gastos 92 litros de água. 
Devemos parar de desperdiçar
para o planeta salvar.

 

           Leonor Silva, 5ºA

 

 

    Consciência ambiental

Todos nós gastamos água em demasia
e quando vem uma seca, há logo uma gritaria,
mas ninguém ouve o planeta,
que todos os dias nos grita,
e os homens continuam a gastar, a gastar.

Ao longo dos séculos o ser humano nunca olhou
para o planeta como deve ser,

nem pela cabeça lhe passou
o que pode vir a acontecer!

Os agricultores produzem em grande quantidade,

os hipermercados vendem a lucrar,
os consumidores compram sem pensar
estão todos a desperdiçar!

 

É tempo de parar, pensar e mudar
pois um dia, os recursos da Terra irão acabar.

                  Hugo Santos, 5ºA

 

   Vamos dizer não

Os alimentos não deves desperdiçar
se o planeta quiseres poupar. 

Sê um bom cidadão
e ao desperdício alimentar
diz sempre não!

Vamos todos tomar uma posição
de cuidado e preocupação.
Vamos todos cuidar
da futura geração.

           Martim Silva, 5 A

 

 

   S.O.S AMBIENTE

O desperdício alimentar 
faz muito mal ao ambiente
pois o efeito de estufa está a patrocinar.

O desperdício tem grande impacto ecológico 
é urgente parar de desperdiçar
pois se no planeta queremos viver
os seus recursos devemos poupar. 

 

            Dinis Silva, 5ºA

 

Desperdício alimentar

Comida para o chão
é desperdício alimentar,
é gasto desnecessário de água,
todos o devemos evitar.

Quilos de comida desperdiçada 
e muita gente com fome!
Vamos parar com o desperdício, 
para dar de comer a quem não come.

Comida, querida comida,
estás a ser desperdiçada.  
Espero que com esta exposição
toda a gente fique bem informada!

        Diana Silva 5ºA

 

 Conversa ecológica

Vamos falar sobre o desperdício alimentar 
erro que devemos todos evitar.

O desperdício alimentar em Portugal,
é muito preocupante ,
pois cerca de um milhão de toneladas
é desperdiçada anualmente.

O desperdício esgota os recursos naturais,
altera o sistema climático,
aumenta o consumo de água,
prejudica o meio ambiente .

Devido ao aquecimento, 
chove a mais ou a menos,
o que afeta as sementeiras
dos mais diversos alimentos.

Por cada quilo desperdiçado,
são gastos 92 litros de água,
deitar fora os alimentos
 é um verdadeiro atentado.

           Rafaela Silva 5°A

  

O Bicho Desperdício

Existe um bicho maldoso,
chamado Desperdício Alimentar
mas tu podes ser poderoso,
e com ele acabar!!
✿ —————– ✿ 
Come tudo até ao fim,
e guarda o que não provaste.
Deitar fora é ruim…
mesmo se  não gostaste!
✿ —————– ✿ 
Tanta gente a passar fome,
e outra tanta a desperdiçar,
se guardares o que não se consome,
na miséria não vais ficar!
✿ —————– ✿ 
Se agirmos com o coração
e com muita dedicação,
vamos todos ajudar
e esta meta alcançar!

✿ —————– ✿ 
                Diana Vaz, 5ºA 

 

 

Comer de forma racional

Estamos a desperdiçar,
enquanto outros morrem à fome
à espera de quem os venha salvar.
Se não pararmos de esbanjar, 
para os nossos vindoiros nada vai sobrar!

De forma racional se deve comer
para o planeta não desfavorecer 
e permitir que todos nele possam viver.

Deve-se pensar antes de consumir, 
não desaproveitar alimentos,
e produtos da época preferir 
para o planeta não poluir.

         Filipe Mesquita, 5ºA

 

 

Vamos colaborar

Ontem na cantina da escola,

durante o almoço reparei

nas sobras que ficaram nos pratos

e com tal me incomodei!

 

O desperdício alimentar era tanto,

que fiquei com arrepios,

de repente perdi o encanto

e as lágrimas corriam como rios.

 

Desperdiçar comida é um crime

enquanto houver pessoas a passar fome,

se todos pararem de desperdiçar

muitas vidas se poderão salvar.

 

Ao desperdício alimentar

vamos todos dizer não,

vamos todos colaborar

e este grave problema solucionar.

 

  Rodrigo Ferreira, Barbara Santos e Iara Santos, 5.º B

 

 

Devemos todos ajudar

 

Em Portugal há pessoas responsáveis

mas algumas não o são,

há pessoas com coração e compaixão

e outras não.

 

Se queres futuro,

não podes desperdiçar,

se queres felicidade

tens de ajudar.

 

O mundo precisa de ti,

precisa de amor e dedicação.

As crianças gostam de brincar

e os adultos procuram união.

 

Quem desperdiça comida,

é irresponsável ou não tem coração

pois há pessoas que raramente comem

um simples e pequeno pão.

 

Se continuarmos a desperdiçar

no futuro não haverá comida,

por isso o desperdício temos de conter

para o nosso mundo sobreviver.

 

            Rafaela Santos e Luciana Matias, 5ºB

 

 

Coisa má

 

Existe uma coisa muito má neste mundo

chamada desperdício alimentar,

uma coisa que nós fazemos,

todos os dias sem pensar.

 

Quando vou à cantina,

vejo muita comida deixada nos pratos

e com isso fico bastante indignado!

 

Um terço dos alimentos produzidos

pelos homens é desperdiçado

logo o planeta está a ficar esgotado.

 

Por isso temos de atuar,

e com o desperdício acabar

para o nosso mundo salvar!

 

          Daniel Guedes e Guilherme Moreira, 5º B

 

 

Não ao desperdício

 

Não desperdice alimentos,

na comida também se deve poupar,

faz bem à saúde, ao planeta, à bolsa 

e muitas vidas irá salvar!

 

Antes de desperdiçar,

pense em quem sofre por nada ter,

o desperdício é um problema mundial

que todos devem combater!

 

Para isso não acontecer

aqui vai o que pode e deve fazer:

-Se não tem muita fome, o prato não deve encher;

– Faça sempre uma lista de compras para o consumo exagerado combater;

– Verifique sempre as datas de validade para alimentos não descartar; 

– Aproveite sempre as sobras para outra refeição preparar;

– Coma de forma saudável e com moderação, faz bem à saúde e ao orçamento familiar.

 

            Bia Valente, Maria Inês Soares, Simão Santos e Gabriel Rocha, 5ºB

 

 

Lição

 

Já existe há muitos anos

o desperdício alimentar

mas se todos ajudarmos

ele pode acabar.

 

Prestem muita atenção

para evitar o desperdício

vou-vos dar uma lição.

 

Mas antes de a iniciar

vou falar um pouco

da nossa situação.

 

Dos cerca de dez milhões de pessoas,

que vivem na nossa nação,

um milhão passa fome

ou sofre de desnutrição.

 

Muitas pessoas desperdiçam

mesmo sem o saber,

enquanto outras vão ao lixo

para alguma coisa comer.

 

Que curioso, vejam bem,

30% da produção agrícola

 é anualmente desperdiçada

mas aos pobres não se dá nada.

 

Nas cantinas das escolas

os alunos desperdiçam

não comem o que lhe põem no prato

e a comida vai para o lixo.

 

É tempo de parar, refletir e mudar.

Acabar com o desperdício é fundamental.

 

Agora sim, aqui vai a lição,

prestem todos muita atenção.

 

– Planeie as suas refeições e os produtos que vai comprar;

– Evite fazer compras sem antes se alimentar;

– Reaproveite cascas de vegetais ou marisco e aparas;

– Congele excedentes de comida pronta, em doses individuais;

– Reaproveite pão do dia anterior para fazer torradas;

– Compreenda os vários tipos de validade antes de descartar alimentos;

– Organize a sua despensa e frigorifico de acordo com a data de validade;

– Não deite fora fruta e legumes só porque não têm boa aparência;

– Dê sempre preferência aos produtos da época;

– No restaurante, leve para casa o que sobrar da dose pedida;

– Encha pouco o prato para não desperdiçar comida.

 

Se estas regras aplicarem

de certeza que estarão a lutar

contra o desperdício alimentar.

Então, o que se propõem fazer para combater este vício?

 

                 Inês Reis e Lara Paiva, 5.ºB

SER ALUNO

SER ALUNO

 

Ser aluno é ter inteligência

E seguir a exigência!

É saber estudar

E ter capacidade de ajudar!

                                                                                                       Guilherme Meira – 7ºD

Ser aluno é ter cidadania,

Responsabilidade e alegria!

É ter compromisso com a dignidade,

O respeito e a igualdade!

 

 

SER ALUNO

 

Ser aluno é ter que estudar

Mas também brincar e relaxar, para além de aprender.

Para no fim do ano não chumbar,

Devemos ler e compreender!

                                                                                                      Francisca Nogueira – 7ºD

E para boas notas tirar,

Não devemos ter medo de errar.

Devemos confiar e respeitar

E nas aulas participar.

 

 

SER ALUNO

 

Ser aluno é ser uma máquina

Tudo temos de saber.

 

Ser aluno é um desafio                                                           Ricardo Reis – 7ºB

Ter muito que fazer.

 

É uma longa jornada

Para tudo aprender!

 

 

Ser aluno é ter vários trabalhos

e ouvir os professores.

Muitos alunos adoram ditados

Apesar de dar dores.

 

Ser aluno é ter amigos e colegas

T.P.C e testes surpresa.

É ter muita pressão na cabeça 

Mas é aguentar e esperar pelas férias.

 

Ser aluno é ter respeito

E educação                                                                                   Matilde Silva – 7ºA 

Senão levamos um grande sermão.

 

Ser aluno é esforçar-se ao máximo 

É fazer tudo com paciência.

E estudar para testes como o de ciência. 

 

E por fim, ser aluno é brincar

e jogar quando podemos

Só temos que nos orientar

E ser francos e verdadeiros

com nós mesmos.