Identidade

“O Agrupamento de Escolas de Canelas resulta de um conjunto de unidades educativas distribuídas por cinco freguesias do concelho de Vila Nova de Gaia, no distrito do Porto. A escola-sede deste Agrupamento situa-se na freguesia de Canelas e agrega, no mesmo edifício, o primeiro, segundo e terceiro ciclos do ensino básico e o ensino secundário; aqui se encontram também os serviços de administração e gestão. As escolas básicas do 1o ciclo e jardins de infância (EB1/JI) do Curro e de Megide, o JI de Ribes e a EB1 da Lagarteira estão também instalados na freguesia, mas funcionam em edifícios autónomos, mais ou menos afastados geograficamente da escola-sede. O mesmo acontece com os restantes jardins de infância e escolas de primeiro ciclo deste Agrupamento, implantados nas freguesias de Gulpilhares e Valadares, Mafamude e Vilar do Paraíso, Perosinho e Serzedo e Vilar de Andorinho.

A EB1/JI do Monte (a 2,2 quilómetros da escola-sede) está sediada na união de freguesias de Gulpilhares e Valadares, localizadas a oeste do concelho de Vila Nova de Gaia. A EB1 de Laborim de Baixo (a 3,3 quilómetros da escola-sede) fica na zona limítrofe de Mafamude e Vi- lar do Paraíso, união de freguesias do centro da cidade de Gaia. A EB1/JI de Brandariz (a 2,4 quilómetros da escola-sede), a EB1/JI do Alquebre (a 2,7 quilómetros da escola-sede), a JI de Loureiro 1 e a EB/1 de Loureiro 2 (a 3,2 quilómetros da escola-sede) estão implantadas na união de freguesias de Perosinho e Serzedo. Finalmente, a EB1/JI da Serpente (a 2,2 quilómetros da escola-sede) situa-se num dos extremos de Vilar de Andorinho, freguesia que estabelece fronteira com o centro da cidade de Gaia.

Todas estas freguesias estiveram tradicionalmente ligadas à agricultura; porém, hoje, a maior parte dos seus habitantes desempenha atividades na área da indústria, construção civil, comércio e serviços. A instalação progressiva de empresas um pouco por todo o concelho de Gaia (e particularmente nas freguesias em questão) levou à criação de postos de trabalho e ao desenvolvimento local; ergueram-se prédios e moradias e muitas foram as famílias, oriundas de outras partes do concelho e de outras regiões e sem raízes na comunidade local, que escolheram estas freguesias para viverem. Com o aumento da população, surgiram também vários bairros sociais. Por outro lado, nos últimos anos, tem-se assistido a um fluxo emigratório considerável, que resultou na partida de alguns elementos ou até de toda a família sobretudo para países da comunidade europeia, em busca de melhores condições de vida. Estas modificações económicas, demográficas e sociais têm sido sentidas de forma pro- funda no meio envolvente, levando à alteração da sua imagem tradicional, como se a comunidade local se tivesse descaracterizado nos últimos anos, ou, simplesmente, adquirido uma nova fisionomia com implicações óbvias na imagem que, tradicionalmente, a Escola exibia.

Por seu turno, as qualificações dos pais e encarregados de educação são, na sua maioria, de nível básico. Apenas uma pequena percentagem (inferior a 10%) tem habilitações académicas de nível superior e o mesmo acontece no que respeita às suas atividades profissionais. Quando se comparam os ensinos básico e secundário, verifica-se que o nível de qualificações e atividades profissionais é superior entre os encarregados de educação do básico.

A vasta área suburbana que integra este Agrupamento apresenta índices de desenvolvimento marcados pela cobertura da rede de distribuição de água, tratamento de águas residuais e recolha regular e seletiva de resíduos, instituições de saúde (centros de saúde e farmácias), transportes coletivos e boas acessibilidades rodoviárias.

São muitas e variadas as instituições artísticas, culturais e desportivas, implantadas nas cinco freguesias que envolvem o Agrupamento, que tornam a cultura e o desporto mais próximos das pessoas, promovendo junto das crianças, jovens e adultos experiências artísticas, des- portivas e de lazer, divulgando as tradições e o património cultural e artístico e intervindo até na área da saúde e bem-estar. Independentemente da sua vocação, estas instituições têm sido importantes aliados da Escola na concretização de uma vontade comum: a eleva- ção do nível cultural dos nossos alunos e respetivas famílias. O funcionamento do ensino articulado de música e a existência de vários protocolos com associações desportivas são disso exemplo. Criar parcerias e proximidades, fomentar a interação sistemática entre estes organismos e a Escola deve continuar a ser uma prioridade.

A oferta formativa do Agrupamento tem sido ditada tanto pelos impositivos legais e deter- minações da tutela, principalmente no que diz respeito ao ensino profissionalizante, como pelas escolhas dos alunos e recursos materiais e humanos da instituição. O ensino pré- escolar, o ensino regular básico e secundário, o ensino profissional, bem como outros per- cursos alternativos, e a educação especial, constituem, genericamente, o conjunto de op- ções formativas que esta instituição escolar disponibiliza à comunidade.

(…). Os princípios delineados na missão e norteadores de ação do Agrupamento concretizam-se em linhas de força operacionalizáveis, assentes na cooperação e envolvimento de todos os elementos desta comunidade educativa e a cuja concretização nos propomos como instituição:

  • Melhorar o nível de aprendizagem dos alunos.
  • Fomentar valores de cidadania.
  • Promover hábitos de vida saudáveis.
  • Elevar o nível cultural dos alunos.
  • Promover o ensino inclusivo.
  • Valorizar o trabalho, o esforço e a responsabilidade.
  • Fortalecer a identidade do Agrupamento.

in Projeto Educativo de Escola